sexta-feira, 25 de outubro de 2013

II Encontro de Blogueiros da Roche

Leave a Comment
   No último sábado, dia 19 de outubro, eu participei do II Encontro de Blogueiros promovido pela Roche Diabetes Care. Foi uma alegria muito grande para mim ter participado desse evento. Eu teria que ter trabalhado no dia do encontro, mas graças ao meu amigo Thiago que me substituiu, eu pude participar de um momento muito bacana de aprendizado, de rever amigos, de conhecer pessoalmente pessoas que conhecia apenas virtualmente e também de ser apresentada a um novo produto da Roche.
fonte: www.jujubadiabetica.blogspot.com.br
   O encontro começou com uma aula apresentada pela Prof. Dr. Maria Julia Kenj sobre glicosímetros e fitas reagentes. Essa aula foi rica em informações e algumas foram surpreendentes para mim. Ela nos ensinou como fazer um furo perfeito no dedo para colocar sangue na fita reagente do glicosímetro. Eu, com 27 anos de diabetes tipo 1 não sabia disso! No meu próximo post eu explicarei com mais detalhes como fazer o furo perfeito.
fonte: www.adiabeteseeu.blogspot.com.br
   Depois disso, a equipe da Roche nos apresentou o novo glicosímetro Active. Ele está menor, com uma cara mais moderna e o mais importante de tudo (na minha opinião) com uma entrada USB! Dessa forma nós podemos baixar todos os dados do glicosímetro para o computador! Nada mais de caderneta para anotar glicemias ou planilha do Excel!! Outro dado importantíssimo é que podemos usar as fitas reagentes do Active que recebemos atualmente pelo governo. A única observação é que o novo Active aceita as fitas com vencimento a partir de julho/2014.

    Eu ganhei um kit e vou testá-lo a partir desse final de semana. O pessoal da Roche informou que ele já está sendo comercializado em farmácias.
  O encontro terminou com  a apresentação do programa Smart Pix. Ele é o programa que faz a transferência de dados do glicosímetro Active para o computador. Esse programa está disponível no portal De Bem com a Vida. Através do Smart Pix podemos avaliar melhor os resultados dos dextros e fazer os ajustes necessários para melhorarmos nosso controle glicêmico. Eu vou testá-lo e em breve darei mais detalhes sobre ele.
   Foi muito bom ter participado desse encontro. Como disse no começo, aprendi bastante. Eu gostei demais também de ter conversado bastante com outros blogueiros diabéticos e mães de diabéticos. Quando comecei o meu blog lá em 2009 o que eu mais queria era ter contato com outros diabéticos, encontrar apoio neles e apoiá-los também. Esse meu sonho tem se tornado realidade a cada dia e isso é gratificante demais!

Fotos pós-encontro que a Kath (www.diabetesevoce.blogspot.com.br) me mandou!

Carol Freitas, eu e a Luana Alves
Kath. eu e a Carol Freitas

 









.

















*Tudo o que foi escrito aqui foi somente a minha opinião. Eu não recebi nenhum incentivo financeiro da Roche Diabetes Care para falar do encontro ou de seus produtos.
Read More...

terça-feira, 15 de outubro de 2013

Aquela da hipoglicemia de madrugada

Leave a Comment
 Sabe uma das coisas que eu mais odeio na hipoglicemia? É a nossa incapacidade de pensar e consequentemente de tomar as decisões mais estúpidas que poderiam ser tomadas naquele momento. No domingo passado eu tive um problema no sensor e antes de dormir eu o tirei do braço. Para confirmar que a Lei de Murphy existe sim, eu acordei lá pelas 4:00 da manhã me sentindo tonta e fraca. Como tinha tirado o sensor antes de dormir, eu estava sem recursos para me avisar que a minha glicemia estava caindo. A primeira reação que tive foi de virar para o lado e dormir mais um pouco. Graças a Deus eu acordei de novo e pensei "levanta agora, você está com hipo". Quando a minha perna não obedeceu meus comandos eu vi que o negócio estava sério. Eu não medi a minha glicemia, mas certamente eu estava na casa dos 40 mg/dl.
  O que eu deveria ter feito: chamado o Humberto, ter medido a minha glicemia e ter tomado o suco que ele teria me trazido. O que eu fiz: saí quietinha do quarto para não acordá-lo, me arrastei até a cozinha, peguei a caixa de bombom, abri e detonei a caixa. (Calma mãe, o final não é trágico.) 
   Eu juro de pé junto para vocês que eu sei que chocolate é um péssimo alimento para se comer na hora da hipo, porque a gordura do chocolate faz com que a absorção do açúcar se torne lenta. Só que na hora do desespero, sem conseguir pensar direito, foi o que eu fiz. Deitei no sofá da sala com a caixa de bombom em cima de mim e comi sem dó. Peguei no sono com todos os sintomas de hipo (língua formigando, fraca, tonta, etc...). Tudo isso sem ninguém saber que eu estava com hipo. A minha maior preocupação era de não acordar o meu marido. Dá para entender um negócio desses?
  Bom, depois de mais uns 15 minutos, acordei de novo e vi que estava melhor. Olhei para a caixa de bombons e comecei a cantar "olha a onda, olha a onda (palmas, palmas)". A glicemia baixa com certeza estava subindo feito uma onda de tsunami. Fui deitar na cama e antes de dormir, calculei por cima os carboidratos que comi, coloquei a glicemia de 40 mg/dl na bomba, coloquei os carboidratos e usei o bolus onda quadrada de meia hora, para aquela insulina não ser administrada toda de uma vez e eu ter outra hipo.
   Quando o despertador tocou 7 da manhã eu estava me sentindo só o pó e morrendo de medo de fazer um teste, porque tinha certeza de que estaria com a glicemia nas alturas. Fui surpreendida com um 178 mg/dl. Isso está muito longe do ideal, mas quando a gente espera um 300 mg/dl e vê um 178 mg/dl, a gente só tem uma coisa para fazer. Comemorar! 
   Enfim, esse é o meu dia a dia com diabetes. O mais importante é nunca desistir. É planejar melhor, aprender com os erros e viver feliz, porque, afinal de contas diabetes é apenas uma parte das nossas vidas!
   
Read More...

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Proteger o nosso futuro sempre!!!!

3 comments
   Ontem eu passei por um momento que me afligiu muito e ao mesmo tempo me fez pensar muito também.    Fiquei sabendo de uma pessoa, portadora de diabetes tipo 1, que tentou tirar a sua vida aplicando uma quantidade absurda de insulina. Graças a Deus essa pessoa recebeu ajuda médica necessária e agora está sendo cuidada em um hospital. Segundo relatos, essa pessoa fez isso por não estar suportando o diabetes.
  Ser portador de uma doença crônica como o diabetes pode ser exaustivo. Pode ser desanimador. Pode ser assustador. Pode ser solitário. Pode, mas não precisa ser. Cuidar das nossas emoções, da nossa alma é fundamental para termos uma vida saudável e feliz. Sabemos que estresse, depressão e ansiedade aumentam a glicemia. Viver assim torna o controle glicêmico muito mais difícil. Só que não é só o nosso controle glicêmico que é afetado. Afinal de contas, somos diabéticos mas não somos só diabéticos. A nossa vida, a nossa família, o nosso emprego, os nosso amigos são diretamente impactados quando não cuidamos dos nossos sentimentos.
   Eu sou muito consciente do impacto emocional que o diabetes me traz. Sabe o que eu faço para ter uma
vida emocional saudável? Eu procuro ajuda. Eu converso com outros diabéticos tipo 1 e mães de diabéticos tipo 1, porque no final das contas, quem vai me entender melhor do que outro diabético? Converso também com a minha família e meus amigos. Já conversei com uma psicóloga também em um momento mais para baixo que tive. Cuidar da minha saúde emocional é uma coisa que só eu posso fazer por mim mesma. Tenho a minha disposição vários recursos, mas somente eu posso tomar a decisão de usufruir deles. Por conta dos meus cuidados, sou uma pessoa feliz, sou uma pessoa realizada, sou uma pessoa esperançosa, sou uma pessoa que aceito a minha condição de diabética com todas as suas implicações. Creio ser impossível cuidar da minha saúde física se a minha saúde emocional não estiver em dia.
   Se quisermos proteger o nosso futuro, precisamos tomar insulina, contar carboidratos, fazer exercícios físicos, monitorar a glicemia constantemente e cuidar da nossa saúde emocional. Deixo aqui a minha sugestão: procure grupos de apoio para diabéticos no Facebook; procure uma associação de diabéticos próximo a você; converse com uma pessoa que você sabe que pode te apoiar; procure a ajuda de um psicólogo ou um psiquiatra. Jamais negligencie os seus sentimentos! Só você pode proteger o seu futuro!!!!!
Read More...