terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Cura do diabetes!!!!!!

2 comments
Você sabe qual é a última novidade para curar o diabetes?
Pensou QUIABO?
Sinto muito te decepcionar, mas a sua resposta está errada.
Sinto muito te decepcionar mais ainda, mas até hoje os cientistas do mundo inteiro ainda não encontraram a cura para o diabetes. Eles trabalham arduamente para isso, mas NÃO EXISTE CURA PARA O DIABETES. Quem sabe eles encontrem a cura algum dia. A ciência está avançando rapidamente e a gente pode talvez se beneficiar disso.
Vocês acham que se a cura do diabetes tivesse realmente sido encontrada ela seria apresentada no Caldeirão do Huck??????? Ela não mereceria ser, no mínimo, publicada em uma revista científica mundial, de grande peso????
Você sabe o que me mantem viva há 27 anos?
A INSULINA!!!
Ela é fedida e só é injetável, mas a INSULINA É INSUBSTITUÍVEL!!!!! 
Esperança, Fé, Cura do Diabetes
Eu, juntamente com outros blogueiros de diabetes estamos muitos preocupados porque a mídia está propagando a informação de que a água do quiabo pode curar o diabetes. Isso é uma informação mentirosa e perigosa. Existem relatos de pessoas que estão internadas no hospital porque deixaram de tomar insulina ou tomar sua medicação oral (no caso do diabetes tipo 2) para tomar a tal água do quiabo. Essas pessoas podem vir a óbito, porque o que nos mantem vivo são esses medicamentos.
Se você é diabético, por favor, não troque a sua medicação por água de quiabo ou chá nenhum!!! Se você acha que talvez isso possa te ajudar, converse com seu médico e INCLUA isso na sua alimentação, mas nunca, jamais deixe de tomar sua medicação!!!!!!
Sabe onde o quiabo é bom?
Quiabo é bom com frango acompanhado de polenta, com contagem de carboidrato e insulina ou medicação oral para diabetes!

Read More...

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Porque eu me amo!

Leave a Comment
Cada furada na ponta de dedo;
Cada bolha de ar que eu tiro do reservatório de insulina;
Cada grama de carboidrato que eu conto antes de comer;
Cada consulta médica;
Cada ida ao posto de saúde para pegar as tiras do glicosímetro;
Cada ligação a Secretaria da Saúde para saber dos meus insumos;
Cada cânula que eu insiro no meu corpo;
Cada post que eu publico aqui no meu blog;
Cada escolho de alimentos saudáveis;
Cada informação nova que leio;

Tudo isso eu faço porque eu me amo!

Hoje é o dia mundial do diabetes.
Hoje o mundo todo está azul.
Hoje lembramos que se diabetes fosse um país, sua população seria a 3a maior do mundo.
Hoje lembramos que diabetes é a 4a doença que mais mata no Brasil.
Hoje lembramos que sedentarismo e má alimentação podem levar, junto com fatores hereditários, ao diabetes.
Hoje lembramos que crianças, por fatores genéticos, também podem ser diabéticas, como eu fui e sou.
Hoje é o dia de falarmos sobre o diabetes.
Hoje é o dia de conscientizarmos nossos familiares, nossos amigos, nossos vizinhos, nossos colegas de trabalho sobre essa epidemia global.

Eu faço isso porque eu me amo!
Eu faço isso porque amo aqueles que estão ao meu redor!
Faço isso pelo meu querido Brasil!

Se você quiser fazer isso hoje também, compartilhe esse vídeo!
Não deixe para depois.
Porque o dia é HOJE!





Read More...

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Do coração de uma mamãe DM1

Leave a Comment
  Tenho refletido ultimamente sobre a maternidade em uma mulher diabética tipo 1. Gerar uma vida, na minha opinião, é uma dádiva divina, tão especial e tão única que me faltam mais palavras para descrever esse momento na vida de uma mulher. Gerar uma vida sendo diabética tipo 1... bom, apesar de ter escrito um pouco sobre isso aqui no meu blog, também me faltam palavras para descrever esse momento... rsrsrs... (para isso, não deixe de ver o blog da Kath, que conta o dia a dia de sua gravidez).
   Bom, a Lorena, minha filha, agora está com 3 anos. Ela já viu muita coisa sobre o diabetes. Quando ela tinha 1 ano, ela chorava toda vez que me via trocar a cânula da bomba de infusão de insulina. Ela já viu muitas hipos da mamãe. Ela já conseguiu arrancar a cânula do meu corpo com a sua perninha (incrível a força que um bebê tem!). Hoje em dia, ela sempre vê muito curiosa os dextros que eu faço e toda vez ela pede para eu fazer nela. Um dia eu fiz e para minha surpresa ela gostou de ter o dedinho furado! 
   Outra noite a Lorena estava dormindo na minha cama e ela caiu. Coitada, ela chorou tanto! No meio da choradeira ela diz "ai... eu tô com hipo!". Eu e meu marido rimos muito!!   Na semana passada, estávamos dividindo uma sobremesa que tinha sorvete e ela comeu toda a parte dela. Eu tinha separado um pedacinho bem pequeno para comer e ela me pergunta "mamãe, você tá com hipo?", eu respondo "não, filha" e ela me diz "então me dá o seu sorvete!" (eu tenho que explicar para ela o que é contagem de carboidrato... rsrsrs...).    
Minha linda Lolinha!
   Eu tenho muitas histórias para contar da Lorena e a sua percepção sobre diabetes. Porém, tem uma coisa que ela faz, de tudo o que eu falei, que corta o meu coração. Frequentemente, quando estamos nos divertindo com alguma coisa ela para e me pergunta "Mamãe, você tá com hipo?". Essa pergunta não é por interesse na minha comida, como no dia da sobremesa, mas é a preocupação da mamãe dela estar passando mal. Eu não queria que a minha filha nunca se preocupasse com isso, não queria mesmo, mas essa é a realidade da nossa família. Essa é a única realidade que a Lorena conhece.
   Ser mãe e ser diabética é assim. Dias bons, dias não tão bons, como de qualquer mãe. Tem dias que eu questiono a minha habilidade de ser mãe, especialmente quando preciso cuidar da Lorena sozinha e tenho uma daquelas hipos avassaladoras e que parecem que eu não vou dar conta de nós duas. Uma coisa que eu posso dizer é que a Lorena é uma grande fonte de inspiração para eu me cuidar. Eu quero estar bem para ver a minha filha crescer. Eu quero ter visão perfeita para ver o dia da formatura dela. Do casamento dela então, nem se fala. Eu quero ter saúde para quem sabe algum dia ajudar a cuidar dos meus netinhos, assim como a minha mãe e a minha sogra me ajudam tanto a cuidar da Lorena!
   Ser mãe e ser diabética é uma tarefa complexa, que exige bastante da gente. Porém, é a melhor tarefa do mundo! Ser mãe faz todo o esforço que fazemos para ter um bom controle glicêmico valer a pena!
Read More...

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

1° Encontro de Mulheres Diabéticas tipo 1 de São Paulo

Leave a Comment
   Eu já falei muitas vezes de como eu gosto de interagir com outros diabéticos e como essa troca de experiências é fundamental para o meu bom controle glicêmico. Por isso, eu, a Luana, a Kath, a Aline e a Carol nos reunimos para organizarmos um grupo de mulheres diabéticas, porque afinal de contas, tem coisas que só uma outra mulher diabética como nós que nos entende! Criamos um grupo no Facebook e juntas estamos promovendo esse primeiro encontro que será no dia 23 de novembro:


   Nesse encontro teremos a presença da nutricionista Ray Viana que vai bater um papo conosco sobre vários aspectos da nutrição e diabetes, com foco especial em mulheres.
   Decidimos fazer esse primeiro encontro somente para mulheres diabéticas tipo 1, mas em breve faremos outros encontros que incluirá os outros tipos de DM.
   O encontro é gratuito, gastaremos apenas o que iremos consumir no Fran's Café. Faça a sua inscrição nesse link, mas faça rápido, porque as vagas são limitadas!
   Te vejo lá!!
Read More...

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Dia Mundial do Diabetes 2013 - O Azul é Nosso!!

Leave a Comment
14 de novembro. Esse é o Dia Mundial do Diabetes. Esse foi o dia escolhido para marcar a resolução da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre a implementação de políticas para prevenção, tratamento e cuidado do diabetes em todos os países que são membros dela. Essa campanha é, desde 2007, liderada pela Associação Internacional de Diabetes (IDF).
Azul. O azul representa o céu e é a mesma cor da bandeira da ONU, que representa também a união entre os países. É a única entidade que pôde apelar aos governos de todos os lugares que era hora de reverter a epidemia global de diabetes, que ameaça o avanço econômico e que causa tanto sofrimento.
Círculo.  Ele simboliza a união. A comunidade global de diabetes se juntou para dar apoio à Resolução das Nações Unidas sobre Diabetes. Nossas forças unidas foram a chave para fazer essa campanha tão especial.
   Portanto, quando surge uma outra campanha, a do câncer de próstata, no mês de novembro, usando o mesmo azul, eu, juntamente com muitos outros blogueiros de diabetes e tantos outros que são parte da comunidade online de diabetes, nos posicionamos de forma contrária. Por favor, não me entendam mal. Câncer de próstata é uma doença séria e que precisa ser divulgada, mas a nossa identidade visual não pode ser copiada de forma alguma. Já temos estabelecido pela própria ONU o nosso dia, a nossa cor o nosso símbolo. Temos uma portaria publicada em 1997 pelo Ministério da Saúde que define o Dia Mundial do Diabetes no Brasil é 14 de novembro:

PORTARIA Nº 391, DE 4 DE ABRIL DE 1997
O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, e considerando que:
- Diabetes mellitus é uma patologia crônica que afeta todo o organismo e que, se não for bem controlada, pode desencadear severas complicações agudas e crônicas, causando, na maioria das vezes, mortes prematuras e incapacidades fisicas temporárias e permanentes;
- São extremamente elevados os custos sócio-econômicos, diretos e indiretos, advindos do tratamento do diabetes e de suas seqüelas;
- Atualmente existem 5 milhões de diabéticos no Brasil, sendo que cerca de 300 mil têm menos de 15 anos de idade;
- O Diabetes mellitus é um sério problema de Saúde Pública em nosso Pais e urge que sejam implementadas ações preventivas e de controle;
- O "Dia Mundial do Diabetes" foi estabelecido em 14 de novembro pela Organização Mundial da Saúde e pela
Federação Internacional de Diabetes, resolve:
Art. 1° -Revogara Portaria n°895, de 20 de junho de 1991.
Art. 2° - Instituir, em 14 de novembro de cada ano, o "Dia Nacional do Diabetes"
como o dia símbolo de luta contra a doença, em substituição à data anteriormente estabelecida.
Art. 3° - Esta Portaria entrará em vigor na data de sua publicação.

Termino aqui fazendo um convite para difundirmos o Dia Mundial de Diabetes. Você pode fazer isso de diversas formas:
1- Entre no Facebook e curta a Fan Page do Dia Mundial do Diabetes, clicando aqui.
2- Participe do evento virtual do Dia Mundial do Diabetes que também está no Facebook, clicando aqui.
3- Vista o azul (pode ser qualquer coisa, desde camiseta, unha pintada, brinco, colar, etc...), tire uma foto, poste no Facebook, no Twitter, no Instagram, onde quer que seja e fale um pouco sobre o diabetes no seu perfil. Aproveite que você está de azul e fale para pelo menos uma pessoa sobre o diabetes.
Unidos caminhamos para proteger o nosso futuro!!


Read More...

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

II Encontro de Blogueiros da Roche

Leave a Comment
   No último sábado, dia 19 de outubro, eu participei do II Encontro de Blogueiros promovido pela Roche Diabetes Care. Foi uma alegria muito grande para mim ter participado desse evento. Eu teria que ter trabalhado no dia do encontro, mas graças ao meu amigo Thiago que me substituiu, eu pude participar de um momento muito bacana de aprendizado, de rever amigos, de conhecer pessoalmente pessoas que conhecia apenas virtualmente e também de ser apresentada a um novo produto da Roche.
fonte: www.jujubadiabetica.blogspot.com.br
   O encontro começou com uma aula apresentada pela Prof. Dr. Maria Julia Kenj sobre glicosímetros e fitas reagentes. Essa aula foi rica em informações e algumas foram surpreendentes para mim. Ela nos ensinou como fazer um furo perfeito no dedo para colocar sangue na fita reagente do glicosímetro. Eu, com 27 anos de diabetes tipo 1 não sabia disso! No meu próximo post eu explicarei com mais detalhes como fazer o furo perfeito.
fonte: www.adiabeteseeu.blogspot.com.br
   Depois disso, a equipe da Roche nos apresentou o novo glicosímetro Active. Ele está menor, com uma cara mais moderna e o mais importante de tudo (na minha opinião) com uma entrada USB! Dessa forma nós podemos baixar todos os dados do glicosímetro para o computador! Nada mais de caderneta para anotar glicemias ou planilha do Excel!! Outro dado importantíssimo é que podemos usar as fitas reagentes do Active que recebemos atualmente pelo governo. A única observação é que o novo Active aceita as fitas com vencimento a partir de julho/2014.

    Eu ganhei um kit e vou testá-lo a partir desse final de semana. O pessoal da Roche informou que ele já está sendo comercializado em farmácias.
  O encontro terminou com  a apresentação do programa Smart Pix. Ele é o programa que faz a transferência de dados do glicosímetro Active para o computador. Esse programa está disponível no portal De Bem com a Vida. Através do Smart Pix podemos avaliar melhor os resultados dos dextros e fazer os ajustes necessários para melhorarmos nosso controle glicêmico. Eu vou testá-lo e em breve darei mais detalhes sobre ele.
   Foi muito bom ter participado desse encontro. Como disse no começo, aprendi bastante. Eu gostei demais também de ter conversado bastante com outros blogueiros diabéticos e mães de diabéticos. Quando comecei o meu blog lá em 2009 o que eu mais queria era ter contato com outros diabéticos, encontrar apoio neles e apoiá-los também. Esse meu sonho tem se tornado realidade a cada dia e isso é gratificante demais!

Fotos pós-encontro que a Kath (www.diabetesevoce.blogspot.com.br) me mandou!

Carol Freitas, eu e a Luana Alves
Kath. eu e a Carol Freitas

 









.

















*Tudo o que foi escrito aqui foi somente a minha opinião. Eu não recebi nenhum incentivo financeiro da Roche Diabetes Care para falar do encontro ou de seus produtos.
Read More...

terça-feira, 15 de outubro de 2013

Aquela da hipoglicemia de madrugada

Leave a Comment
 Sabe uma das coisas que eu mais odeio na hipoglicemia? É a nossa incapacidade de pensar e consequentemente de tomar as decisões mais estúpidas que poderiam ser tomadas naquele momento. No domingo passado eu tive um problema no sensor e antes de dormir eu o tirei do braço. Para confirmar que a Lei de Murphy existe sim, eu acordei lá pelas 4:00 da manhã me sentindo tonta e fraca. Como tinha tirado o sensor antes de dormir, eu estava sem recursos para me avisar que a minha glicemia estava caindo. A primeira reação que tive foi de virar para o lado e dormir mais um pouco. Graças a Deus eu acordei de novo e pensei "levanta agora, você está com hipo". Quando a minha perna não obedeceu meus comandos eu vi que o negócio estava sério. Eu não medi a minha glicemia, mas certamente eu estava na casa dos 40 mg/dl.
  O que eu deveria ter feito: chamado o Humberto, ter medido a minha glicemia e ter tomado o suco que ele teria me trazido. O que eu fiz: saí quietinha do quarto para não acordá-lo, me arrastei até a cozinha, peguei a caixa de bombom, abri e detonei a caixa. (Calma mãe, o final não é trágico.) 
   Eu juro de pé junto para vocês que eu sei que chocolate é um péssimo alimento para se comer na hora da hipo, porque a gordura do chocolate faz com que a absorção do açúcar se torne lenta. Só que na hora do desespero, sem conseguir pensar direito, foi o que eu fiz. Deitei no sofá da sala com a caixa de bombom em cima de mim e comi sem dó. Peguei no sono com todos os sintomas de hipo (língua formigando, fraca, tonta, etc...). Tudo isso sem ninguém saber que eu estava com hipo. A minha maior preocupação era de não acordar o meu marido. Dá para entender um negócio desses?
  Bom, depois de mais uns 15 minutos, acordei de novo e vi que estava melhor. Olhei para a caixa de bombons e comecei a cantar "olha a onda, olha a onda (palmas, palmas)". A glicemia baixa com certeza estava subindo feito uma onda de tsunami. Fui deitar na cama e antes de dormir, calculei por cima os carboidratos que comi, coloquei a glicemia de 40 mg/dl na bomba, coloquei os carboidratos e usei o bolus onda quadrada de meia hora, para aquela insulina não ser administrada toda de uma vez e eu ter outra hipo.
   Quando o despertador tocou 7 da manhã eu estava me sentindo só o pó e morrendo de medo de fazer um teste, porque tinha certeza de que estaria com a glicemia nas alturas. Fui surpreendida com um 178 mg/dl. Isso está muito longe do ideal, mas quando a gente espera um 300 mg/dl e vê um 178 mg/dl, a gente só tem uma coisa para fazer. Comemorar! 
   Enfim, esse é o meu dia a dia com diabetes. O mais importante é nunca desistir. É planejar melhor, aprender com os erros e viver feliz, porque, afinal de contas diabetes é apenas uma parte das nossas vidas!
   
Read More...

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

Proteger o nosso futuro sempre!!!!

3 comments
   Ontem eu passei por um momento que me afligiu muito e ao mesmo tempo me fez pensar muito também.    Fiquei sabendo de uma pessoa, portadora de diabetes tipo 1, que tentou tirar a sua vida aplicando uma quantidade absurda de insulina. Graças a Deus essa pessoa recebeu ajuda médica necessária e agora está sendo cuidada em um hospital. Segundo relatos, essa pessoa fez isso por não estar suportando o diabetes.
  Ser portador de uma doença crônica como o diabetes pode ser exaustivo. Pode ser desanimador. Pode ser assustador. Pode ser solitário. Pode, mas não precisa ser. Cuidar das nossas emoções, da nossa alma é fundamental para termos uma vida saudável e feliz. Sabemos que estresse, depressão e ansiedade aumentam a glicemia. Viver assim torna o controle glicêmico muito mais difícil. Só que não é só o nosso controle glicêmico que é afetado. Afinal de contas, somos diabéticos mas não somos só diabéticos. A nossa vida, a nossa família, o nosso emprego, os nosso amigos são diretamente impactados quando não cuidamos dos nossos sentimentos.
   Eu sou muito consciente do impacto emocional que o diabetes me traz. Sabe o que eu faço para ter uma
vida emocional saudável? Eu procuro ajuda. Eu converso com outros diabéticos tipo 1 e mães de diabéticos tipo 1, porque no final das contas, quem vai me entender melhor do que outro diabético? Converso também com a minha família e meus amigos. Já conversei com uma psicóloga também em um momento mais para baixo que tive. Cuidar da minha saúde emocional é uma coisa que só eu posso fazer por mim mesma. Tenho a minha disposição vários recursos, mas somente eu posso tomar a decisão de usufruir deles. Por conta dos meus cuidados, sou uma pessoa feliz, sou uma pessoa realizada, sou uma pessoa esperançosa, sou uma pessoa que aceito a minha condição de diabética com todas as suas implicações. Creio ser impossível cuidar da minha saúde física se a minha saúde emocional não estiver em dia.
   Se quisermos proteger o nosso futuro, precisamos tomar insulina, contar carboidratos, fazer exercícios físicos, monitorar a glicemia constantemente e cuidar da nossa saúde emocional. Deixo aqui a minha sugestão: procure grupos de apoio para diabéticos no Facebook; procure uma associação de diabéticos próximo a você; converse com uma pessoa que você sabe que pode te apoiar; procure a ajuda de um psicólogo ou um psiquiatra. Jamais negligencie os seus sentimentos! Só você pode proteger o seu futuro!!!!!
Read More...

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

A mulher diabética

Leave a Comment
Ser uma mulher diabética é:
- ter se perguntado na adolescência se ela seria rejeitada por um garoto por causa do diabetes;
- ter chegado a conclusão que se algum dia um garoto te rejeitar por causa do diabetes é porque ele não te merecia;
- temer que uma hipoglicemia te atrapalhe bem na hora da prova da Fuvest;
- se perguntar se o diabetes vai interferir na sua vida profissional;
- se perguntar se você terá filhos, apesar do diabetes;
- pedir para a sua madrinha de casamento ter balas com ela na hora da cerimônia caso você, a noiva, tenha uma hipoglicemia;
- casar, na verdade, com hiperglicemia porque o nervoso está muito grande e você não quer corrigir e correr o risco de ter uma hipoglicemia bem na hora de dizer o "sim";
- ter sempre uma bolsa grande para conseguir colocar glicosímetro, pastilha de glicose, conjunto extra de cânula e cateter, aplicador de cânula, celular, carteira e a necessaire com maquiagem e afins;
- lembrar de colocar a bomba de insulina no basal temporário para não ter uma hipoglicemia durante uma compra no mercado;
- ter uma gravidez de alto risco;
- saber que durante a gravidez não adianta nada se desesperar com uma hipoglicemia ou hiperglicemia, porque o desespero só piora as coisas;
- sair da maternidade com o seu troféu em seus braços, se sentido a mulher mais vitoriosa da face da terra;
- ser compreendida e apoiada de forma prática pela pessoa pela qual você se apaixonou;
- ser surpreendida pelas palavras de encorajamento daquele amigo de infância na hora que bate aquela depressão;
- conhecer outras mulheres maravilhosas na internet que são exatamente como você e conhecem as suas lutas, porque as delas são as mesmas;
- saber que apesar de todo apoio que você recebe, no fim das contas, essa luta é sua e só você pode cuidar de si própria;
- ter que parar o carro em um posto de gasolina porque você não tem a menor condição de dirigir com hipoglicemia;
- pedir para Deus toda a noite antes de dormir que Ele te livre de uma hipoglicemia severa;
- morrer de rir quando a sua filha pergunta: "mamãe, você vai tomar insuLUna?"
- morrer de rir também quando você pede para o frentista completar o tanque com insulina, ao invés de gasolina;
- saber os carboidratos de praticamente todos os alimentos que existem;
- não se conformar com o sistema de saúde tão falho em seu país;
- lutar pelos seus direitos garantidos pela constituição brasileira;
- se dedicar em cuidar de sua saúde, porque você tem muito, mas muito mesmo a perder;
- entender que o diabetes afeta todos os aspectos de sua vida, mas que no é por causa disso que ele vai te dominar;
- encontrar o controle emocional e viver uma vida alegre e com paz, apesar de ter uma doença crônica;
- por fim, ser uma mulher diabética é ser uma mulher forte, de garra, que sabe valorizar o que há de melhor nesse mundo, que anda de cabeça erguida, não por soberba, mas porque essa é a postura de uma verdadeira guerreira que vence suas batalhas a cada dia!


Sim, somos poderosas!







Read More...

terça-feira, 30 de julho de 2013

Pâncreas Biônico - últimas novidades

Leave a Comment
   No ano 2000, o filho de 11 meses do professor doutor de engenharia biomédica Edward R. Damiano foi diagnosticado com diabetes tipo 1. Nesse mesmo ano, o Dr. Damiano decidiu investir toda a sua carreira para encontrar  uma forma segura de controlar a glicemia sanguínea com precisão e o mínimo de intervenção humana. A meta dele era de realizar esse sonho até 2017, ano em que seu filho vai para a faculdade morar sozinho.
   Nos últimos anos esse estudo tem evoluído, sendo testado primeiro em animais e agora em humanos. A primeira etapa do estudo em humanos foi feito no Massachussets General Hospital, na cidade de Boston, nos EUA. Algumas pessoas ficaram 2 dias no hospital para testar esse novo tratamento. Essa parte foi feita dentro do hospital apenas para que os médicos pudessem acompanhar essas pessoas durante as 48 horas. A segunda fase do estudo, chamado de Beacon Hill Bionic Pancreas Study foi feito com 20 diabéticos tipo 1, residentes em Boston. Eles puderem fazer suas rotinas diárias, mas tinham que ficar em um raio de 5 km de distância do hospital. Esses participantes tiveram que dormir em um hotel para que uma enfermeira pudesse acompanhá-los e fazer testes durante a noite. Esse estudo foi conduzido por 5 dias. A terceira fase desse estudo está acontecendo agora, em um acampamento para crianças diabéticas no estado de Massachussets (camp Joslin). 16 meninos e 16 meninas usarão o pâncreas biônico por 6 dias e depois usarão um sistema de monitorização contínuo de glicose por mais 6 dias para comparar o controle glicêmico com e sem o pâncreas biônico. A fase final do estudo será testar o pâncreas biônico em 50 a 60 funcionários do Massachussets General Hospital que são diabéticos tipo 1 por um período mais longo. Por último, junto com as empresas fabricantes de bomba de infusão de insulina, o Dr. Damiano e sua equipe irão desenvolver uma bomba única de infusão de insulina e glucagon. Depois disso, o FDA (órgão americano correspondente a nossa Anvisa) dará a aprovação final para a comercialização do pâncreas biônico. 
O que é um pâncreas biônico?
   O pâncreas biônico consiste em 1 bomba de infusão de insulina, 1 bomba de infusão de glucagon, 1 sistema de monitorização contínuo de glicose e 1 iPhone. O iPhone tem um aplicativo que contem um algorítmo que "toma as decisões" de quando e quanto liberar de insulina ou glucagon. Portanto, o sensor manda dados para o iPhone, o iPhone comanda as bombas. Ele é chamado de circuito fechado (closed loop).
   Qual é a grande vantagem disso? O sensor lê a glicemia de 5 em 5 minutos, e com esse circuito fechado, a glicemia é continuamente ajustada pelas bombas de insulina e de glucagon. Se a glicemia começar a subir, a bomba de insulina libera insulina. Se a glicemia começar a cair, a bomba de glucagon libera glucagon. Isso tudo antes de se realmente chegar em uma hipoglicemia (glicemia baixa) ou hiperglicemia (glicemia alta). Não há mais a necessidade de se fazer contagem de carboidrato. Não há mais a necessidade de se calcular basal temporário quando se faz ginástica ou quando se está doente. Não há mais a necessidade de se medir 8 ou 10 ou até mais vezes a glicemia capilar por dia. O pâncreas biônico fará tudo sozinho.  O risco de se ter uma hipoglicemia, que pode ser fatal, durante o sono?? Isso vai ser história do passado.

Depoimento
Anna Floreen, nos dias de teste com o pâncreas biônico (lembrando que tem tanta coisa grudada nela porque ela estava participando de um estudo clínico e precisou ter mais coisas no corpo além das bombas e do sensor).
   Anna Floreen foi uma das participantes da segunda fase do estudo. Ela relatou que ela viveu 5 dias sem diabetes. Não se preocupou de contar carboidrato. Não se preocupou com hipoglicemias ou hiperglicemias. Não se preocupou de tentar fazer o que o seu pâncreas deveria fazer por ela. Ela se sentiu livre, sem o estresse emocional que o diabetes traz. Clique aqui para ler o depoimento completo da Anna Floreen sobre os 5 dias com o pâncreas biônico (em inglês).

  Concluindo, eu não sei se algum dia eu verei uma verdadeira cura para o diabetes, sem precisar usar bomba, sensor, ou seja o que for (até rimou... rsrsrs...). O que eu sei é que eu realmente não me importo nenhum pouco de algum dia usar uma bomba e um sensor que faça literalmente tudo pelo meu controle glicêmico. Sinceramente, eu usaria 2 bombas mais um sensor numa boa (caso não consigam juntar a bomba de insulina com a bomba do glucagon, o que eu acho bastante improvável). Isso para mim já é uma cura. De tudo que eu vejo na internet, essa parece ser a solução mais próxima da cura em um futuro próximo, que realmente está indo para a frente, com pessoas sendo testadas, com a aprovação do FDA para essas pessoas fazerem o estudo clínico. Quando isso vai ser comercializado, ainda não sabemos (apesar da previsão ser 2017). Quando isso vai chegar ao Brasil e passar por todo o processo de aprovação pela Anvisa, também não sabemos. O que eu sei é que está próximo de chegar e eu estou próxima da minha cura. Essa é a minha esperança!!!  E você, ficou animado também?? Conhece outros estudos que também são bastante promissores? Compartilhe!!!

Read More...

segunda-feira, 1 de julho de 2013

As complicadas complicações

7 comments
   No final do ano passado minha endocrinologista me diagnosticou com um princípio de neuropatia na minha perna direita, perto do meu calcanhar. Fui "premiada" com mais uma complicação decorrente do diabetes. Isso foi muito, mas muito difícil de aceitar. Assim como foi muito difícil de aceitar a hipertensão em 2008 e a retinopatia não proliferativa em 2009 (tratada com laser e até o momento estabilizada). Além da bomba de infusão de insulina, os dextros, as contagens de carboidrato, etc... eu tomo 1 remédio em jejum para a neuropatia e mais 2 para controlar a hipertensão. Por enquanto, tudo está sob controle. Bom, na verdade quase tudo. O que está difícil no momento é conseguir processar e aceitar tudo isso.
   Eu tenho passado por um momento de descontroles glicêmicos sem explicação. Tenho feito ginástica, tenho cortado os carboidratos na tentativa de facilitar o controle, tenho contado os carboidratos mais fielmente do que nunca, mas mesmo assim o controle está péssimo. Resolvi semana passada mandar um e-mail para a minha médica com os dextros das 2 últimas semanas. Ela mudou totalmente o meu esquema de insulina basal. Mesmo assim, não estou percebendo grandes melhoras. 
   Percebi que estou travando uma luta dentro de mim.  A tentação de jogar tudo para o alto não é pequena. Estou simplesmente cansada. Cansada dos descontroles, cansada de gastar o fosfato do meu cérebro tentando achar a resposta para o que está errado comigo, cansada de me perguntar "qual será a próxima complicação?". Estou cansada também de me sentir culpada. 
   Acho que a culpa anda de mãos dadas com os diabéticos que tem complicações, ou será que sou só eu? Eu sempre acreditei que se um diabético tipo 1 tivesse algum tipo de complicação, a culpa era dessa pessoa.  Com certeza ela não tomou insulina direito. Com certeza comeu um monte de doce. Com certeza nunca foi ao médico. Com certeza foi irresponsável e nunca pensou no seu futuro. 
   O que dizer então do tempo que eu gasto pensando em diabetes? O esforço que eu faço para ter uma alimentação saudável? A ginástica que eu procuro fazer a todo custo? O tempo que eu gasto para anotar os dextros? O esforço de correr atrás dos meus direitos para ganhar o meu tratamento do governo? Eu não me importo comigo mesma? Eu sou irresponsável?
   A resposta que eu tenho é que infelizmente apesar de todo o meu esforço, eu tenho essas complicações. A culpa de tudo isso? A resposta é uma só: DIABETES. Eu faço o meu melhor. Eu me dedico. Eu me importo. Eu achei que eu não fosse passar por isso, mas enfim, aqui eu estou. Existem diabéticos tipo 1 há 30, 40, 50 anos sem complicações. Bom, esse não é o meu caso e a culpa não é minha. A gente pode escolher ignorar ou acreditar que as complicações são somente para os descuidados, porém, elas podem vir
para os cuidadosos também. A culpa não é nossa.
   Eu espero não ser mal interpretada. A melhor forma de protegermos o nosso futuro é se nos cuidarmos, e muito, hoje. Apesar de estar passando por esse momento, eu tenho certeza no profundo do meu ser que o melhor que eu posso fazer por mim mesma é me cuidar. Me cuidar cada dia mais, cada vez melhor. Onde será que eu estaria hoje se eu não me cuidasse? Eu só peço para você, que como eu, tenha alguma complicação do diabetes para não se culpar. Não vamos nos perder na auto piedade, na auto comiseração. Vamos focar a nossa energia na nossa incansável busca pela saúde!!!!
   Escrever sobre isso está me fazendo um bem tão grande que já estou me sentindo mais leve! Quero deixar  um convite para você: você se sente culpado? se sente cansado? Compartilhe aqui também! Eu te entendo!! Muitos que estão passando por isso te entendem também!! Juntos podemos nos ajudar!!
 
 
Read More...

sexta-feira, 21 de junho de 2013

Vamos assinar, é rapidinho!!!!

Leave a Comment
   Nós, os blogueiros de diabetes, (em especial a Luana Alves do A Diabetes e Eu que editou o vídeo) nos reunimos para mostrar como é simples e rápido fazer um teste de glicemia de ponta de dedo (capilar). Se esse simples teste se tornar protocolo de atendimento médico em urgências e emergências, muitas vidas poderão ser salvas!!!
Assista o vídeo e assine a petição!! É rapidinho!!

Link para assinar a petição, clique AQUI!
Quer fazer parte da nossa campanha para tornar o teste de glicemia obrigatório? Curta as nossas Fan Pages abaixo:
                                                         
Obrigada!!!
Read More...

segunda-feira, 17 de junho de 2013

Teste de Glicemia Obrigatório

Leave a Comment
  Em 1986, uma menina aos 7 anos de idade deu entrada no pronto socorro do Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo junto com sua mãe com queixa de excesso de sede, de fome e de com vontade constante de urinar. Naquela época não havia glicosímetros para medir a glicemia dela em menos de 30 segundos. Porém, os médicos pediram um exame de sangue e algumas horas depois, elas receberam o diagnóstico: diabetes tipo 1. 
   Em 2013, outra menina, com 1 ano e 9 meses de idade deu entrada no pronto socorro de um hospital do interior de São Paulo com os mesmos sintomas da primeira menina citada acima. Porém, os médicos suspeitaram que fosse dengue e deram soro glicosado para ela. Na verdade, o que ela tinha também era diabetes tipo 1 e ela jamais deveria ter recebido soro glicosado. Ela deveria ter recebido insulina. Poucos dias depois essa menina veio a falecer. Infelizmente isso também aconteceu com mais outra menina de 8 anos de idade em Teresina, no Piauí em maio de 2013. 
   A primeira menina sou eu. Hoje eu tenho 34 anos, 27 deles com diabetes. A segunda menina é a Valentina e a terceira menina é a Luana. Se os médicos da Valentina e da Luana tivessem feito o teste de glicemia de ponta de dedo nelas, elas provavelmente estariam aqui hoje. Essas histórias trágicas não aconteceram só com elas. Muitas outras crianças e adultos perderam suas vidas por falta do teste de glicemia.
   Por isso, em abril de 2013 a Silvia, do www.joaopedroeodiabetes.blogpsot.com começou a campanha para tornar o teste de glicemia obrigatório em todos os atendimentos. Eu, juntamente com muitos outros blogueiros de diabetes nos juntamos a ela e decidimos levantar as nossas vozes e tornar esse teste obrigatório no protocolo do primeiro atendimento. O teste de glicemia precisa se tornar o 6º sinal vital, junto com pressão arterial, pulso, respiração, temperatura e dor. Um teste de glicemia pode salvar muitas vidas. Um teste de glicemia pode dar o diagnóstico de diabetes tipo 2, já que se estima que hoje entre 35 e 50% dos diabéticos tipo 2 não sabem que são diabéticos!
   Gostaria de deixar um pedido aqui para todos que estão lendo esse post. Por favor, assinem essa PETIÇÃO para podermos levar esse projeto para as autoridades e salvarmos muitas vidas! 
   Obrigada!

Read More...

quinta-feira, 18 de abril de 2013

Sobre a bomba de infusão de insulina

7 comments
    Eu uso bomba de infusão de insulina há quase 4 anos. Ela virou o quinto membro do meu corpo. Hoje eu tenho 2 braços, 2 pernas e uma bomba. Eu uso essa bomba porque foi indicação da minha médica. Ela pediu para que eu engravidasse com a bomba e assim eu fiz. Junto com a bomba eu uso o sistema de monitoramento contínuo de glicose (CGMS, sigla em inglês), que também foi indicado pela minha médica.
    Por que eu estou falando isso? Porque eu tenho tido uma impressão que algumas pessoas acham que: a bomba de infusão de insulina é a solução para todo e qualquer problema relacionado ao diabetes; que a bomba é melhor que Levemir / Lantus / NPH / Insulina Regular; com a bomba não é necessário fazer os dextros; com a bomba a gente pode comer o quiser, na quantia que quiser no horário que quiser; com  a bomba a gente pode praticamente esquecer que é diabético.
    A bomba ajuda? Ajuda, e muito! Todo mundo precisa usar bomba? NÃO!!!! Eu uso a bomba porque eu não consegui um bom controle com a NPH e depois com a Levemir e insulina de ação rápida. Eu precisava ter um excelente controle para engravidar, então a minha médica decidiu que para mim, esse seria o melhor tratamento. Eu me lembro claramente da minha médica me falando de uma outra paciente que ela tem, diabética tipo 1 como eu com a HbA1c (hemoglobina glicada) na casa dos 6,0 usando NPH + Insulina Regular. Existem muitas mulheres diabéticas tipo 1 que engravidaram saudáveis e tiveram seus bebês saudáveis com NPH ou Lantus / Levemir.  A bomba não é um artefato criado só para substituir as picadas das injeções de insulina e também não é um passe de mágica.
   Para usar a bomba, é necessário saber fazer corretamente a contagem de carboidratos. Hoje, quando estou em casa, eu peso na balança alimento por alimento e faço a regra de três (de matemática) para ter uma contagem de carboidrato bem precisa, que faz muita diferença no controle. Uma pessoa que não faz contagem de carboidratos não pode usar a bomba sem primeiro dominá-la.
   Hoje, usando a bomba com o CGMS eu faço uma média de 8 dextros por dia, conto carboidratos, penso bem no que eu vou comer e como vai afetar a minha glicemia e tenho que praticar exercícios físicos (prometo que vou retomar os exercícios logo, logo!!!!!). Isso deveria ser a rotina de qualquer diabético, independente do tipo de tratamento que faz.
   O que eu quero deixar hoje aqui é que antes de pensar em usar a bomba de infusão de insulina, pense nessas perguntas: Eu tenho indicação médica para usar a bomba? Estou tendo sucesso com a insulina que estou usando atualmente? Eu sei fazer a contagem de carboidratos direitinho? Estou disposto a me adaptar a esse novo tratamento? Estou disposto a furar o meu dedo várias vezes por dia para controle da glicemia? Estou disposto a andar com um aparelho grudado no meu corpo? Estou disposto a arcar com as despesas da bomba ou correr atrás dos meus direitos para conseguir a bomba pelo governo? Eu fiz tudo possível com outros tratamentos para o diabetes que não deram os resultados esperados?
   Para mais informações sobre a minha experiência com a bomba, clique nesses links:
   É isso pessoal! Vamos que vamos na nossa luta para mantermos o bom controle glicêmico, o ânimo e a perseverança!

Read More...

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

Um dia de cada vez

8 comments
    Ontem eu tive um sonho bem maluco e nele eu estava passando mal. Eu acordei do sonho e percebi que de fato eu estava passando mal. Fui ao banheiro e quando olho a minha bomba (de infusão de insulina), ela estava desligada. DESLIGADA. Eu tomei banho anteontem a noite, conectei a minha bomba, fiz um dextro que deu 109 mg/dl, tomei um Yakult e fui dormir. Pensei comigo, "que legal, tomei um Yakult e esqueci de ligar a bomba. Estou há 8 horas sem insulina. Quanto será que eu coloco na minha bomba se o dextro agora der HI? Acho que eu vou colocar 500 mg/dl e ir monitorando." Porém, quando o dextro deu 392 mg/dl eu dei um grito de alegria. 392 mg/dl é melhor que HI. Eu fiz a correção, tomei bastante água e voltei para a cama para dormir os últimos 45 minutos que eu tinha direito antes de levantar e arrumar a minha filhinha para  a escola. Eu estava me sentindo péssima. Meu marido percebeu que eu tinha levantado e me perguntou se eu estava bem. Falei para ele o que tinha acontecido e ele me deixou dormir mais um pouquinho para eu poder descansar mais.
    Eu acordei as 7:20 para ajudar meu marido arrumar a Lorena e fiz um teste. 278 mg/dl. Em um pouco mais de uma hora, já tinha abaixado um bom tanto, porém eu precisei corrigir mais um pouco de novo (de acordo com os cálculos da bomba). Eu ainda me sentia mal. O Humberto levou a Lolo para a escola e eu voltei para a cama. Por sorte, o meu primeiro compromisso ontem era as 11:00 e não era longe de casa. Eu ia para a academia, mas do jeito que estava, não tinha como. Quando levantei para me arrumar e tomar café da manhã, a glicemia estava 198 mg/dl. As coisas estavam começando a melhorar. Contei os carboidratos do café da manhã com bastante cuidado, mas mesmo assim, o pós café foi de 213 mg/dl. Eu finalmente consegui um 112 mg/dl antes do almoço, as 13:00.
    Eu me senti muito frustrada. Poxa vida, eu não precisava ter passado por tudo isso. Como é que eu fui me esquecer de ligar a bomba depois do banho? Como é que eu não escutei nenhum alarme da bomba desligada? Eu estou tentando melhorar o meu controle e tenho me esforçado bastante. Comecei a fazer ginástica e vi uma grande melhora nas glicemias. Tenho contado carboidratos com uma balança para ser o mais precisa possível. Mas eu acho que eu sei responder essas perguntas. Eu trabalhei anteontem das 9:00 da manhã até as 9:00 da noite. Cheguei em casa  muito cansada (ainda bem que trabalhar 12 horas por dia não é uma coisa comum para mim) e me distraí. No fim das contas, um diabético não se pode dar o luxo de se distrair.
   Hoje é um novo dia. Acordei com a glicemia de 83 mg/dl. Confesso que acordei de madrugada para me certificar que a bomba estava ligada... rsrsrs... Eu não posso me esquecer que eu tenho que viver um dia de cada vez. O fracasso de um dia não significa o fracasso de uma vida. O importante é perseverar, ser constante e não tirar os olhos do foco: saúde!  E firme eu vou nessa caminhada!



Read More...

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

E deu certo!!!!!!

Leave a Comment
 Semana passada eu publiquei um post falando da necessidade da Kath, do www.diabetesevoce.blogspot.com.br, de usar uma bomba de infusão de insulina durante a gravidez dela, no parto e no pós parto. A Sarah, do www.eumeufilhoeodiabetes.blogspot.com.br, fez uma campanha online para que alguma empresa fornecedora de bomba de infusão de insulina emprestasse uma bomba para a Kath. A campanha deu certo e a Medtronic vai atender o nosso pedido!!!!!!
   Eu fiquei muito feliz com a mobilização da nossa querida comunidade online. Juntos nos tornamos uma família que se ajuda, se apoia, se compreende, se anima e se aconselha. O que era "só" virtual passou a ser real e palpável!
  Quero agradecer a Medtronic por ter feito isso pela Kath. Todos nós da comunidade online de diabéticos nos sentimos vitoriosos com essa conquista. 
   Se você quiser saber mais sobre a Medtronic, visite o site deles: www.medtronicbrasil.com.br.


P.S.: esse post não foi patrocinado pela Medtronic. Eu apenas expressei a minha opinião e quis compartilhar o que essa empresa fez pela Kath (e pela comunidade online de diabéticos)!
Read More...

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Para minha doce amiga Kath

Leave a Comment
    A Kath, do www.diabetesevoce.blogspot.com.br, deu a grande notícia hoje que está grávida!!!!!! Eu estou muito feliz por ela e muito feliz também porque ela vai fazer um diário no blog dela sobre a gestação, o que é de grande valia para as mulheres (e homens também, por que não?) diabéticas que estão pensando em engravidar ou também estão grávidas.
 A Sarah, do www.eumeufilhoeodiabetes.blogspot.com.br, lançou uma campanha no Facebook para que alguma empresa fabricante de bomba de infusão de insulina (Roche ou Medtronic) forneça no período de gestação, parto e pós parto uma bomba e os insumos para a Kath. Dessa forma, ela pode ter uma gravidez mais tranquila com os controles glicêmicos bem mais fáceis de serem ajustados. Se você quiser participar dessa campanha, é só compartilhar a foto abaixo no Facebook:
Para isso, basta fazer o seu login no Facebook e clicar no link abaixo:
Tenho certeza de que uma comunidade de diabéticos online tem muito poder!!!! :)
Read More...